sábado, 31 de dezembro de 2016

Feliz 2017

A Direção do Grupo Folclórico do Centro Social de Vila Nova de Sande deseja a todos os seus elementos e respetivos familiares, aos seus amigos e seguidores, uma Excelente Passagem de Ano e um Feliz 2017!

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Retrospectiva 2016


Chega agora ao fim o ano 2016! Para trás fica escrita mais uma intensa página da história do nosso Grupo Folclórico do Centro Social de Vila Nova de Sande. 
Foi um ano de concretização de actividades muito diversificadas, mas com os objetivos propostos alcançados, sem esquecer a base e o impulso do nosso trabalho, ou seja, a fiel representatividade dos usos e costumes dos nossos antepassados, em finais do século XIX, princípios do século XX. Viveram-se especiais momentos de convívio e união entre os elementos do Grupo; demonstramos em diversos locais a riqueza do folclore que representamos; levamos essa riqueza além fronteiras, mais propriamente a Dijon, França; realizamos mais um espectacular Festival Internacional de Folclore em Vila Nova de Sande; e muitos, muitos mais momentos deste ano que agora culmina, preenchidos com a paixão, a entrega, a dinâmica, o trabalho, o rigor, e a qualidade deste projecto, que é o Grupo Folclórico do Centro Social de Vila Nova de Sande.
Mas analisemos agora em pormenor, as actividades desenvolvidas ao longo deste ano, pelo Grupo Folclórico do Centro Social de Vila Nova de Sande:
O mês de Janeiro, como já tem vindo a ser habitual, foi dedicado aos encontros das tradicionais "Reisadas", uma vertente da atividade do nosso Grupo Folclórico, em que se tem apostado ano após ano, ou não fosse ela também uma importante tradição dos nossos antepassados, ou seja, também faz parte do folclore que representamos. 
Estivemos presentes em Encontros de "Reisadas" realizados em Sande S.Clemente (Guimarães), em Prazins Sta.Eufémia (Guimarães), no Salão Paroquial de Sande Vila Nova (organizado pelos Escuteiros) e também organizamos um destes encontros, em parceria com o Centro Social de Vila Nova de Sande.


No dia 13 de Março, como habitualmente, participamos nas comemorações do IV Aniversário do "Encontro de Saberes", grupo associativo sénior de Vila Nova de Sande.


Em Maio, concretizou-se um dos pontos altos do ano para o Grupo Folclórico do Centro Social de Vila Nova de Sande, a viagem a Dijon, França. É sempre agradável, existir a possibilidade de levar o nosso folclore além fronteiras, e de um modo ainda mais especial quando somos carinhosamente recebidos pela comunidade de emigrantes portugueses, como foi o caso. Sem dúvida, que esta deslocação irá permanecer na memória de todos os intervenientes e enriquecerá ainda mais o precioso historial deste Grupo Folclórico.


A 21 de Maio, cantamos os "Parabéns" ao nosso Centro Social e participamos nas comemorações do seu 37º Aniversário.


Ainda no final do mês de Maio, participamos nas Festividades do Corpo de Deus da nossa localidade de Vila Nova de Sande.


O primeiro fim de semana do mês de Junho foi bastante intenso para o nosso Grupo Folclórico. No dia 04, participamos no XXXIV Festival Nacional e XXIV Internacional de Folclore do Carregado, onde pernoitamos, e no dia seguinte, 05 de Junho, dia do nosso aniversário, estivemos a representar o nosso folclore no XXXV Festival de Folclore de Cacia, Aveiro.

No dia 02 de Julho marcamos presença no XXXIII Festival de Folclore de Maceda, Ovar.


No dia 09 de Julho, participamos no XVIII Festival de Folclore de Vila Boa de Quires, Marco de Canaveses.


No dia 17 de Julho, deslocamos-nos à vizinha localidade de Brito para realizarmos uma atuação no "Vivências", Festival de Artes de Palco.


Ainda no mês de Julho, foi no dia 23, que o Grupo Folclórico do Centro Social de Vila Nova de Sande viveu outro grande momento deste ano de 2016, a realização do seu XXXV Festival Internacional de Folclore. O excelente estado meteorológico, com agradável temperatura nocturna, que cativou mais público, a qualidade das representações dos grupos participantes, e a magnífica organização do evento, foram fatores que contribuíram para que a edição deste ano de 2016 fosse um dos melhores Festivais de Folclore de sempre realizados em Vila Nova de Sande. O público presente testemunhou e partilhou posteriormente, que dificilmente se encontra um evento do género com tanta qualidade. Sem dúvida que o resultado positivo da realização deste evento marcou, sem dúvida, este ano que agora termina, e afirma a excelente capacidade de organização de todos os elementos que compõe o Grupo Folclórico do Centro Social de Vila Nova de Sande.


A abrir o mês de Agosto, participamos no XXXIV Festival Nacional de Folclore - Aparecida 2016, Lousada.


No dia 14 de Agosto, estivemos presentes, uma vez mais, nas Festividades em honra de Nossa Senhora do Leite, em S.Miguel do Paraíso, Pevidém, Guimarães, onde também tivemos um dia intenso, com animação musical eucarística da parte da manhã, e à tarde participação na Procissão a atuação.


Um dia depois, a 15 de Agosto, e como também já é habitual, participamos nas Festividades em honra de Nossa Senhora da Assunção, na nossa localidade de Vila Nova de Sande.


No dia 20 de Agosto, alguns dos nossos elementos exibiram os seus trajos, no XXI Desfile Nacional do Trajo Popular Português, organizado pela Federação do Folclore Português, em Santo Tirso.

No dia 21 de Agosto, estivemos presentes na vizinha localidade de Sande S.Clemente, para realizarmos uma atuação nas Festividades em honra de Nossa Senhora de Lurdes.


Já no dia 11 de Setembro, o Grupo Folclórico do Centro Social de Vila Nova de Sande deslocou-se ao concelho de Vila Nova de Paiva, afim de participar no XXXIII Festival de Folclore de Vila Cova À Coelheira.


No mês de Outubro, os guias dos grupos participantes no XXXV Festival Internacional de Folclore - Vila Nova de Sande 2016, organizaram entre eles um dia de convívio, onde realizaram uma visita ao Museu do Traje Dr.Gonçalo Sampaio, em Braga.


Ao terminar o ano, agora no mês de Dezembro, o Grupo Folclórico do Centro Social de Vila Nova de Sande realizou a sua Ceia de Natal para um especial momento de confraternização entre elementos e familiares.


Depois desta retrospetiva é caso para dizer que 2016 foi um grande ano para o Grupo Folclórico do Centro Social de Vila Nova de Sande. 
O balanço só pode ser positivo, por todas as atividades que foram sendo desenvolvidas ao longo do ano.
Obrigado a todos os que de uma forma ou de outra nos ajudaram a encarar os desafios propostos. O apoio e o carinho dos que nos acompanham e gostam de nós é sempre fundamental.
Estão de parabéns todos e cada um dos elementos que compõe este Grupo Folclórico, pelo esforço e pela entrega que cada um deu a este projeto ao longo do ano. Todo este resultado é o reflexo da paixão que depositamos nesta causa e se cada um de nós acreditarmos nele, tudo se concretiza, pois só assim é que, o que iniciou a 05 de Junho de 1978 faz sentido ontem, hoje e para sempre!
Que venha o novo ano com novos desafios e muitas metas alcançadas; sabemos que 2017 promete! 😉
UM FELIZ 2017 PARA TODOS!!!










sábado, 24 de dezembro de 2016

Feliz Natal!

A Direção do Grupo Folclórico do Centro Social de Vila Nova de Sande deseja a todos os seus elementos e seus familiares, aos seus amigos e conhecidos, e todos os que seguem o trabalho deste Grupo Folclórico (quer nas plataformas online quer nas atividades desenvolvidas no terreno), um SANTO e FELIZ NATAL para todos!

sábado, 17 de dezembro de 2016

Conclusões do Congresso Nacional de Folclore

No passado fim de semana de 10 e 11 de Dezembro de 2016, realizou-se no Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, o Congresso Nacional de Folclore promovido pela Federação do Folclore Português, com o patrocínio da Câmara Municipal de Leiria e com a colaboração do Conselho Técnico Regional da Alta Estremadura, bem como dos grupos folclóricos da região da Alta Estremadura e sócios auxiliares em nome individual da Federação do Folclore Português.
Sob o tema "Folclore: entre o material e o imaterial", este congresso abordou temáticas que atualmente se encontram em destaque no panorama da cultura tradicional e popular portuguesa.
Divulgamos aqui as conclusões deste encontro do folclore nacional, publicadas no Site Oficial da Federação do Folclore Português.
"Nos dias 10 e 11 de dezembro, a Federação do Folclore Português (FFP) promoveu o seu congresso nacional de folclore, na cidade de Leiria, subordinado à temática «Folclore: entre o material e o imaterial».
Mais uma vez, o movimento folclórico nacional afluiu massivamente a este evento e encontrou um espaço de reflexão e debate sobre algumas das temáticas que ocupam, hoje, um lugar relevante no quadro da cultura tradicional e popular portuguesa (CTP) e a sua salvaguarda. Esta edição do congresso inseriu-se no plano plurianual de atividades da FFP e assumiu particular interesse pela abrangência temática que envolveu a ação dos vários agentes do movimento folclórico nacional e os que com eles interagem, com especial destaque para a UNESCO.
A realização do congresso consistiu em analisar e debater as relações entre as vertentes material e imaterial do património cultural, no âmbito da cultura tradicional e popular, visando delinear uma visão clara desta problemática justapondo e confrontando as perspetivas institucionais da FFP e da UNESCO.
No contexto nacional, tem-se assistido, recentemente, à classificação de património cultural da humanidade (no âmbito da UNESCO) a manifestações culturais que integram a cultura tradicional e popular. Também é conhecida a emergência e proliferação de novos projetos/intensões a este respeito dispersos um pouco por todo o território nacional. Entender este fenómeno, analisar a viabilidade de tais projetos, discutir os processos que estes implicam, estabelecer uma eventual relação direta com o campo de ação dos grupos de folclore e descortinar prováveis benefícios/oportunidades inovadoras que a promoção do património cultural imaterial (PCI) poderá assumir no contexto das comunidades e das suas forças vivas constitui uma temática de crescente interesse para o movimento folclórico nacional e que valeu a pena explorar.
De igual modo, nesta sociedade pós-moderna em que vivemos, testemunha-se a emergência de um novo fenómeno social entre as crianças e jovens da era digital. A sua manifesta falta de interesse pelas temáticas da CTP e, consequentemente, pelo património cultural imaterial é uma realidade profundamente sentida no quotidiano dos grupos de folclore conduzindo a notórias dificuldades na ação/missão destas instituições. Explorou-se esta problemática procurando identificar ferramentas que atenuem (ou mesmo contrariem) esta tendência nefasta para a transmissão dos valores e da matriz identitária nacional para as futuras gerações.
Ressaltou-se a importância do contributo conciliador e determinante da UNESCO no domínio do papel dos agentes promotores da CTP (grupos de folclore) na sua missão de salvaguarda patrimonial. Neste contexto, promoveu-se uma clarificação conceptual desta problemática consagrando uma evidente confluência de noções entre o preconizado pela UNESCO e a própria posição da FFP nalgumas matérias, com a devida salvaguarda para alguns propósitos muito distintos da UNESCO.
Assim, concluiu-se que:
a) Os pressupostos da CTP (folclore) e PCI, embora distintos, complementam-se e, por vezes, até se fundem. A CTP e PCI não são, por isso, conceitos antagónicos, mas, sim, complementares e, por vezes, indissociáveis;
b) A CTP (folclore) engloba aspetos do PCI e estes constituem, por vezes, uma componente intrínseca da sua essência muitas vezes presente no nosso quotidiano social;
c) Os pressupostos da CTP poderão considerar-se a base de trabalho dos grupos de folclore enquanto as características do PCI poderão constituir o âmbito da ação quotidiana/social dos grupos de folclore;
d) Os documentos da UNESCO referentes ao PCI (embora imbuídos de um espírito específico) poderão ter aplicabilidade no que se refere à ação dos grupos de folclore na sua tarefa de salvaguarda da CTP/PCI;
e) A FFP e suas estruturas associadas (tal como outras entidades) poderão fazer uso dos conceitos e procedimentos previstos pela UNESCO com as necessárias adaptações às suas realidades/necessidades;
f) Os grupos de folclore, efetivamente, trabalham alguns aspetos do PCI na sua ação/missão institucional, procedendo, simultaneamente, à sua salvaguarda;
g) A salvaguarda do património em geral terá que enveredar por projetos renovadores, visões e parcerias das quais as autarquias e outras entidades oficiais são imprescindíveis para a obtenção de resultados práticos;
h) Os arquivos assumem uma inquestionável importância/relevância no registo e salvaguarda tanto da CTP como do PCI. O arquivo documental deve constituir uma preocupação essencial dos dirigentes associativos de forma a garantir uma memória futura para as gerações vindouras;
i) Os agentes de folclore nacional deverão proceder a um registo (mais ou menos oficial, de acordo com as suas reais capacidades) das manifestações culturais das suas comunidades. Tal poderá passar tanto por um registo formal (nas instâncias oficiais para o efeito) como por um registo menos formal dotado de menor exigência;
j) Existem exemplos de boas práticas relativamente ao registo do PCI por parte de grupos de folclore português (com a necessária e valiosa colaboração autárquica). Estes registos encerram franco potencial para a constituição de produtos turísticos diferenciados e diferenciadores no mercado;
k) Apesar das óbvias vantagens do reconhecimento oficial da UNESCO relativamente ao PCI, levanta-se a problemática da sequência prática deste procedimento e da perpetuação da(s) referida(s) manifestações a médio e longo prazo no quotidiano das comunidades;
l) Todo o processo de salvaguarda patrimonial terá que assentar numa ação mobilizadora das novas gerações através da motivação positiva, de uma atitude proativa dos dirigentes associativos junto das crianças de tenra idade e da aposta em estratégias de comunicação apelativas e assertivas;
m) Os congressos nacionais de folclore constituem momentos de reflexão, introspeção e construção de conhecimento dentre o movimento folclórico nacional. O espetáculo presenteado pelos grupos de folclore da Alta Estremadura constituiu um excecional momento de exaltação da CTP e do PCI, demonstrou a intensa energia associativa que o nosso movimento encerra e testemunhou a forma como a CTP e o PCI podem ser elementos congregadores de pessoas, instituições e vontades.
A Federação do Folclore Português.
Leira, 11 de dezembro, 2016."

in Site Oficial da FFP

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Ceia Convívio de Natal 2016

No passado sábado, dia 03 de Dezembro de 2016, o Grupo Folclórico do Centro Social de Vila Nova de Sande a sua "Ceia Convívio de Natal 2016".
Aproveitando a época natalícia que se avizinha, o Grupo Folclórico do Centro Social de Vila Nova de Sande concretizou esta iniciativa, a fim de fortalecer os laços de amizade entre os seus elementos.
O resultado só podia ser positivo; foram muitos os momentos de alegria e convívio registados ao longo da noite. Houve oportunidade para degustar as tradicionais "batatas com bacalhau"e as típicas sobremesas da época. Realizou-se a também habitual "troca de prendas" e houve espaço ainda para algumas representações humorísticas bem divertidas. A música, a dança e o folclore, como não poderia deixar de ser, também marcaram presença.
O Grupo Folclórico do Centro Social de Vila Nova de Sande, congratula-se pela realização deste convívio e pelo impacto que esta tem no espírito de grupo. 
Muitas mais se sucederão!
Boas Festas para todos! 😉