sábado, 17 de dezembro de 2016

Conclusões do Congresso Nacional de Folclore

No passado fim de semana de 10 e 11 de Dezembro de 2016, realizou-se no Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, o Congresso Nacional de Folclore promovido pela Federação do Folclore Português, com o patrocínio da Câmara Municipal de Leiria e com a colaboração do Conselho Técnico Regional da Alta Estremadura, bem como dos grupos folclóricos da região da Alta Estremadura e sócios auxiliares em nome individual da Federação do Folclore Português.
Sob o tema "Folclore: entre o material e o imaterial", este congresso abordou temáticas que atualmente se encontram em destaque no panorama da cultura tradicional e popular portuguesa.
Divulgamos aqui as conclusões deste encontro do folclore nacional, publicadas no Site Oficial da Federação do Folclore Português.
"Nos dias 10 e 11 de dezembro, a Federação do Folclore Português (FFP) promoveu o seu congresso nacional de folclore, na cidade de Leiria, subordinado à temática «Folclore: entre o material e o imaterial».
Mais uma vez, o movimento folclórico nacional afluiu massivamente a este evento e encontrou um espaço de reflexão e debate sobre algumas das temáticas que ocupam, hoje, um lugar relevante no quadro da cultura tradicional e popular portuguesa (CTP) e a sua salvaguarda. Esta edição do congresso inseriu-se no plano plurianual de atividades da FFP e assumiu particular interesse pela abrangência temática que envolveu a ação dos vários agentes do movimento folclórico nacional e os que com eles interagem, com especial destaque para a UNESCO.
A realização do congresso consistiu em analisar e debater as relações entre as vertentes material e imaterial do património cultural, no âmbito da cultura tradicional e popular, visando delinear uma visão clara desta problemática justapondo e confrontando as perspetivas institucionais da FFP e da UNESCO.
No contexto nacional, tem-se assistido, recentemente, à classificação de património cultural da humanidade (no âmbito da UNESCO) a manifestações culturais que integram a cultura tradicional e popular. Também é conhecida a emergência e proliferação de novos projetos/intensões a este respeito dispersos um pouco por todo o território nacional. Entender este fenómeno, analisar a viabilidade de tais projetos, discutir os processos que estes implicam, estabelecer uma eventual relação direta com o campo de ação dos grupos de folclore e descortinar prováveis benefícios/oportunidades inovadoras que a promoção do património cultural imaterial (PCI) poderá assumir no contexto das comunidades e das suas forças vivas constitui uma temática de crescente interesse para o movimento folclórico nacional e que valeu a pena explorar.
De igual modo, nesta sociedade pós-moderna em que vivemos, testemunha-se a emergência de um novo fenómeno social entre as crianças e jovens da era digital. A sua manifesta falta de interesse pelas temáticas da CTP e, consequentemente, pelo património cultural imaterial é uma realidade profundamente sentida no quotidiano dos grupos de folclore conduzindo a notórias dificuldades na ação/missão destas instituições. Explorou-se esta problemática procurando identificar ferramentas que atenuem (ou mesmo contrariem) esta tendência nefasta para a transmissão dos valores e da matriz identitária nacional para as futuras gerações.
Ressaltou-se a importância do contributo conciliador e determinante da UNESCO no domínio do papel dos agentes promotores da CTP (grupos de folclore) na sua missão de salvaguarda patrimonial. Neste contexto, promoveu-se uma clarificação conceptual desta problemática consagrando uma evidente confluência de noções entre o preconizado pela UNESCO e a própria posição da FFP nalgumas matérias, com a devida salvaguarda para alguns propósitos muito distintos da UNESCO.
Assim, concluiu-se que:
a) Os pressupostos da CTP (folclore) e PCI, embora distintos, complementam-se e, por vezes, até se fundem. A CTP e PCI não são, por isso, conceitos antagónicos, mas, sim, complementares e, por vezes, indissociáveis;
b) A CTP (folclore) engloba aspetos do PCI e estes constituem, por vezes, uma componente intrínseca da sua essência muitas vezes presente no nosso quotidiano social;
c) Os pressupostos da CTP poderão considerar-se a base de trabalho dos grupos de folclore enquanto as características do PCI poderão constituir o âmbito da ação quotidiana/social dos grupos de folclore;
d) Os documentos da UNESCO referentes ao PCI (embora imbuídos de um espírito específico) poderão ter aplicabilidade no que se refere à ação dos grupos de folclore na sua tarefa de salvaguarda da CTP/PCI;
e) A FFP e suas estruturas associadas (tal como outras entidades) poderão fazer uso dos conceitos e procedimentos previstos pela UNESCO com as necessárias adaptações às suas realidades/necessidades;
f) Os grupos de folclore, efetivamente, trabalham alguns aspetos do PCI na sua ação/missão institucional, procedendo, simultaneamente, à sua salvaguarda;
g) A salvaguarda do património em geral terá que enveredar por projetos renovadores, visões e parcerias das quais as autarquias e outras entidades oficiais são imprescindíveis para a obtenção de resultados práticos;
h) Os arquivos assumem uma inquestionável importância/relevância no registo e salvaguarda tanto da CTP como do PCI. O arquivo documental deve constituir uma preocupação essencial dos dirigentes associativos de forma a garantir uma memória futura para as gerações vindouras;
i) Os agentes de folclore nacional deverão proceder a um registo (mais ou menos oficial, de acordo com as suas reais capacidades) das manifestações culturais das suas comunidades. Tal poderá passar tanto por um registo formal (nas instâncias oficiais para o efeito) como por um registo menos formal dotado de menor exigência;
j) Existem exemplos de boas práticas relativamente ao registo do PCI por parte de grupos de folclore português (com a necessária e valiosa colaboração autárquica). Estes registos encerram franco potencial para a constituição de produtos turísticos diferenciados e diferenciadores no mercado;
k) Apesar das óbvias vantagens do reconhecimento oficial da UNESCO relativamente ao PCI, levanta-se a problemática da sequência prática deste procedimento e da perpetuação da(s) referida(s) manifestações a médio e longo prazo no quotidiano das comunidades;
l) Todo o processo de salvaguarda patrimonial terá que assentar numa ação mobilizadora das novas gerações através da motivação positiva, de uma atitude proativa dos dirigentes associativos junto das crianças de tenra idade e da aposta em estratégias de comunicação apelativas e assertivas;
m) Os congressos nacionais de folclore constituem momentos de reflexão, introspeção e construção de conhecimento dentre o movimento folclórico nacional. O espetáculo presenteado pelos grupos de folclore da Alta Estremadura constituiu um excecional momento de exaltação da CTP e do PCI, demonstrou a intensa energia associativa que o nosso movimento encerra e testemunhou a forma como a CTP e o PCI podem ser elementos congregadores de pessoas, instituições e vontades.
A Federação do Folclore Português.
Leira, 11 de dezembro, 2016."

in Site Oficial da FFP

Sem comentários:

Enviar um comentário